São duas biclas de touring ali para a mesa do canto, sff

Estas são as nossas biclas do dia-a-dia:

Bicycle Repair Man Mobile!

IMGP2368.JPG

São ambas pedelec (bicicletas com assistência eléctrica), uma longtail Surly Big Dummy e uma Kalkhoff citadina, ideais para as nossas necessidades pessoais e profissionais de mobilidade e transporte quotidiano em Lisboa. Fazemos tudo com elas, raramente precisamos de recorrer a outro meio de transporte. Quando vamos passear, também é com elas. E portam-se muito bem. Mas para viajar, em autonomia (ou seja, carregados), fazer muitos quilómetros, horas seguidas em cima da bicicleta, e eventualmente andar a caminhar com elas ao lado por estradas de areia, como se prevê, e transportá-las em comboios e autocarros, possivelmente semi-desmontadas, pensámos que fazia sentido investir em duas bicicletas mais adaptadas para o efeito, a nível de geometria, posição de condução, e especificações.

A escolha óbvia foi um par de Surly Long Haul Truckers.

Surly Long Haul Trucker

Serão basicamente iguais à da foto, mas com o quadro em preto, e uma roda dianteira diferente, construída à volta de um cubo com dínamo. E alguns outros extras encomendados logo de origem.

Num cenário ideal teríamos mandado vir os quadros e depois escolhido e montado os componentes a la carte. Mas isso exigiria mais tempo do que aquele que temos disponível agora (para escolher, mandar vir, e montar), e a conta ficaria mais alta, provavelmente, o que não seria viável agora. Além disso, dado que profissionalmente lidamos com a marca, pareceu-nos mais interessante experimentarmos em primeira mão a configuração da bicicleta de origem, e só mais tarde, como muitos quilómetros de teste em cima, começar a brincar e mudar os componentes à medida da evolução das nossas experiências e preferências pessoais.

Estamos com alguma curiosidade com a geometria de touring e meio ansiosos com a posição de condução e com os dropbars, vai ser uma experiência nova, e que contrastará muito com a posição bastante direita e guiadores citadinos que usamos e gostamos nas nossas bicicletas do dia-a-dia. O conforto possível virá do quadro em aço e dos pneus 2.0″ (o máximo com pára-lamas são 2.1″), visto que a bicicleta não tem suspensão no quadro, no garfo, no espigão do selim nem no próprio selim (estamos mal habituados :-P).

A escolha do modelo da bicicleta prendeu-se com a sua sólida reputação de bicicleta de viagens de longa distância, em autonomia (ou seja, carregada!), embora também eficaz para a cidade (queríamos algo também para passeios mais curtos ao fim-de-semana, por exemplo, ou para alguns tipos de deslocações urbanas do dia-a-dia), e assim ficaremos com dois exemplares de demonstração na loja, o que é sempre útil. 🙂 Dois links úteis e interessantes para começar a explorar este tema são este e este.

Serão ambas de roda 26″, apesar do Bruno ter altura para escolher o tamanho dele, 56, com roda 700c (o meu tamanho, 42, só existe com roda 26″). As vantagens são:

  • uniformização nas peças suplentes: ambas as bicicletas usam o mesmo tamanho de aros, raios, pneus e câmaras de ar,
  • uniformização nas velocidades a rolar: uma roda 700c, devido à maior inércia face a uma de 26″, depois de estar a rolar mantém mais facilmente / por mais tempo a velocidade, o que levaria a que eu tivesse que me esforçar mais para manter a mesma velocidade do Bruno,
  • conforto: podemos usar pneus mais largos, neste caso serão 2.0″ mas podemos ir até 2.1″ (com rodas 700c e pára-lamas só dá para ir até aos 1.65″)
  • robustez: rodas 26″ são mais robustas que rodas 700c, o que é relevante em viagens em que a bicicleta vá muito carregada

Os extras básicos

Não temos dúvidas da importância que usar boas luzes tem no conforto e segurança da bicicleta, e não temos pachorra para andar a transportar, carregar e controlar pilhas, pelo que um dínamo de cubo era um item básico na lista de equipamento. Por isso pedimos logo ao nosso fornecedor para as biclas trazerem já montado um dínamo de cubo SON 28. Os SON são fiáveis e os 5 anos de garantia inspiram confiança (tenho um SON XS na Birdy e porta-se bem).

SON 28

Escolhemos este em vez do SONdelux porque o SON 28 é o mais indicado quando é preciso mais luz a velocidades mais baixas, ou quando se pretende usar outros dispositivos ou carregar as suas baterias (eventualmente chegaremos a investir mais tarde num USB-Werk da Busch und Muller ou similar para carregar os telemóveis nas viagens).

Para usar com o dínamo, o Bruno escolheu a luz dianteira de LED SON Edelux pela sua capacidade de iluminação da estrada, nomeadamente a velocidades mais elevadas, fiabilidade, durabilidade, sensor e luz de paragem, e ser à prova de chuva!

SON Edelux

Os pára-lamas que mandámos vir logo foram os Hebie Viper. Feínhos, coitados, mas leves e práticos.

Heie Viper

E, claro, os porta-bagagens, um para trás e outro para a frente. Optámos por dois modelos da Hebie, o Expedition 190 e o Expedition Low Rider 195.

Hebie Expedition 190 Hebie Expedition Low Rider 195

O 190 é fixe porque tem um segundo par de carris mais abaixo, o que permite colocar o peso nos alforges mais abaixo também, e mais facilmente fixar outros sacos ou o que seja no topo, e mantém a luz traseira mais protegida numa espécie de reentrância. E aguenta até 40 Kg de carga!

O Low Rider 195 foi escolhido por ser mais leve visualmente e estruturalmente, dado que não prevemos ter que andar a transportar carga no topo de um porta-bagagem dianteiro, serão apenas os alforges de lado, em baixo, e o Low Rider 195 permite levar até 10 Kg de cada lado.

Entretanto, isto deve estar a chegar brevemente (estamos em pulgas!). Agora temos que começar rapidamente a pensar em tudo o resto, para dar tempo de vir até à data de partida, planeada para algures entre 16 e 19 de Agosto!

Algumas coisas já temos, mas há-que analisar se servem o propósito (é diferente acampar com carro de apoio e com bicicleta de apoio :-P, e é diferente pedalar 5 Km seguidos ou acumulados por dia, ou 50 Km, o que afecta a escolha do selim e da indumentária). Qual a melhor rota para nós? Onde e como dormir (tenda, saco-cama, colchão, hammock,…?). O que levar para comer e cozinhar e como? Que ferramentas e peças suplentes devemos levar? Que tipo e número de artigos de vestuário e calçado escolher? Que tipo e número de sacos?

to be continued…

4 comentários a “São duas biclas de touring ali para a mesa do canto, sff

  1. T

    Há luzes que já vêm com porta usb para ligar diretamente o gps ou o telemóvel quando a iluminação não for necessária. Penso que é mais prático do que ter esse acessório extra.

    Responder
    1. Ana Pereira Autor do artigo

      Olá T,

      Sim, a bicicleta que uso no dia a dia tem um farol com essa funcionalidade (B&M Luxos), porém isso torna a electrónica mais complexa, se o farol falha por algum motivo, perdem-se, na pior das hipóteses, ambas as funções. A aparente redundância é de alguma forma intencional. 🙂

      De qualquer forma queremos também experimentar o sistema E-Werk. 😉

      Responder
  2. Pedro Leitão

    Selins Brooks! Mínimo B17! Não se metam noutra coisa senão vão-se arrepender! Acreditem em mim que tenho experiência de voltinhas de 100 e de 150km!

    Responder
    1. Ana Pereira Autor do artigo

      😛 Sim, sabemos da fama dos Brooks, mas primeiro temos que analisar o selim que vem de série, e eventualmente também algum da Lepper que temos em stock no atelier, para fazermos o teste. Uma questão a analisar muito cuidadosamente, sim. 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

15 − = 13